DESENVOLVIMENTO LOCAL

Agir localmente, pensar globalmente, este é o lema adotado pela política de Desenvolvimento Sustentável acordada nas conferências internacionais, desde a década de 80 do século XX. As estratégias de desenvolvimento local procuram, em suas práticas, inverter este processo. Ou melhor : pensar localmente para agir globalmente. O que está em jogo no desenvolvimento local é a possibilidade de que a diversidade de ações seja considerada como uma forma de garantir a participação social por meio de suas organizações e entidades.

Dessa forma, a idéia de desenvolvimento local não se coloca em oposição ao desenvolvimento global. O desenvolvimento local tem por objetivo a integração com o global, mas seus recursos estratégicos devem ser considerados a partir do local. O foco é a comunidade ou grupo social e suas formas de organização no meio. O desenvolvimento local procura valorizar as iniciativas locais, considerando-as como importantes dinamizadores do processo de desenvolvimento, pois surgem de maneira espontânea, de acordo com as necessidades e aspirações das próprias comunidades. Desenvolver localmente só é possível quando se pensa em aproveitar e fomentar a participação dos grupos em suas formas próprias de organização, principalmente no que elas trazem de positivo e de eficaz a uma perspectiva mais ampla de desenvolvimento.

A noção de desenvolvimento local potencializa a participação dos agentes de desenvolvimento comunitário, assim como amplia o poder de suas ações e das organizações sociais no processo decisório.

O desenvolvimento local se dá como uma via de resgate, recuperação, ou ainda, renovação de estruturas sociais como associações, cooperativas, representações municipais, estaduais e organizações não governamentais cuja ação reverta em benefício, principalmente, dos problemas locais. Os projetos de desenvolvimento local são fundados na cultura, na natureza e nos valores ético-ideológicos locais. O que está em jogo é a própria possibilidade de sustentabilidade destes projetos e iniciativas, de criar bases sólidas e duradouras acreditando-se que o global é construído a partir de pequenas iniciativas locais. A longo prazo as habilidades desenvolvidas em cada região tornam-se a única fonte de vantagem competitiva, abrindo caminho para o progresso e o sucesso dessas iniciativas.

O desenvolvimento local pode ocorrer de duas formas:

Endógena – valorizando e impulsionando formas espontâneas, preexistentes de organização social.

Exógena - pelo incentivo e auxilio à formação de entidades e associações locais, capazes de organizar a comunidade na direção do aproveitamento de seus recursos humanos e sociais.

Endógena - valorizando e impulsionando formas espontâneas, preexistentes de organização social.

Exógena - pelo incentivo e auxilio à formação de entidades e associações locais, capazes de organizar a comunidade na direção do aproveitamento de seus recursos humanos e sociais.

Muitas vezes confundido com o que se denomina desenvolvimento endógeno, o desenvolvimento local, na verdade, pode ocorrer a partir de uma perspectiva endógena: valorizando formas espontâneas já existentes de organização social; ou exógena: pelo fomento à formação de associações capazes de organizar a comunidade na direção do aproveitamento de seus recursos humanos e naturais.

Da mesma forma, podemos nos referir aos agentes de desenvolvimento, podendo ser estes oriundos da própria comunidade, ou externos em sintonia com a mesma aportando conhecimento. Por isso, es de desenvolvimento comunitários. Esta formação se mostra como uma tentativa de troca de experiências e conhecimentos que impulsionam e dão novos elementos para enriquecer as formas de ação.

Trata-se de um tipo de educação não-formal, congrega diferentes sujeito sociais interagindo por um objetivo comum. A educação ambiental, realizada em espaços não formais de educação, em uma perspectiva socio-ambiental, busca abordar o conhecimento do meio/local associado às manifestações culturais.
Os projetos de desenvolvimento local geram as condições concretas para a coexistência de múltiplos modelos de desenvolvimento. Essa diversidade de processos de desenvolvimento orienta-se pelas necessidades e interesses locais e, também, na capacidade de articulação destes com os interesses globalizados. Assim, cada localidade, comunidade, municipalidade, região pode optar por um processo de desenvolvimento que respeite seus valores específicos (culturais, naturais, éticos e morais) e lhe possibilite uma melhor participação no processo mundial de desenvolvimento.